universidade de Coimbra

Conheça o sistema de ensino superior português

Uma jovem com 726 anos de idade.

Quando o Brasil foi descoberto em 1500, a Universidade de Coimbra já existia há 210 anos!!! É isso mesmo a UC, como é conhecida, foi fundada por D. Diniz em 1290.  Hoje com 726 anos é uma das mais antigas universidades do mundo. Em 2013 foi declarada patrimônio cultural pela UNESCO. Seus prédios, impregnados de história, são os registros da própria história de Portugal.

Os laços que unem o Brasil a universidade de Coimbra vêm da própria formação da elite da sociedade brasileira. O registro do primeiro brasileiro a estudar em Coimbra data de 1576. No início do século XIX era natural que as famílias mais influentes enviassem seus filhos para estudar em Coimbra. Visto que uma das estratégias da coroa portuguesa, para manter a tutela sobre a colônia, era não criar universidades. Alguns historiadores atribuem ao fato da universidade de Coimbra reunir estudantes das mais diversas regiões do Brasil como sendo fundamental, nesta fase histórica, para a não desagregação do território brasileiro.

Apesar de muito antiga, a universidade de Coimbra sempre se adaptou as mudanças que ocorreram na sociedade ao longo desses 7 séculos. Sendo um dos seus desafios temperar história e tradição com inovação e tecnologia. Foi ainda a primeira universidade do exterior a aceitar o ENEM como prova de acesso aos seus cursos de graduação.  Atualmente, com cerca de 2000 alunos brasileiros, é a universidade com maior número de estudantes brasileiros fora do Brasil.

Ensino Superior Português

Segundo o site studyinportugal , o sistema de ensino público português é formado por 14 Universidades, 20 Institutos Politécnicos e 6 Instituições de ensino superior militar e policial.  Conta ainda com 36 Universidades e 64 Institutos Politécnicos privados.

De acordo com o DGES,  a rede das Universidades é baseada numa ampla formação cultural, informativa, científica e filosófica, de nível superior, que prioriza uma formação voltada para a pesquisa, a informação e o saber numa determinada área do conhecimento a que a graduação está inserida. Já o ensino politécnico se baseia numa sólida formação cultural, formativa, tecnológica e criativa, de nível superior, que prioriza uma formação voltada para a prática, inovação e o saber crítico, conciliando conhecimentos científicos teóricos e as práticas de suas aplicações com vista ao exercício das atividades profissionais atribuídas a sua graduação.

Diagrama do ensino superior português

Diagrama adaptado  DGES

Os cursos de graduação são denominados em Portugal cursos de Licenciatura. O aluno terá seu curso concluído nos institutos politécnicos ao completar 180 ECTS, que corresponde a um volume de trabalho, normalmente, de 3 anos. No sistema universitário pode variar de 180 ECTS (3 anos) a 240 ECTS (4 anos). Existe ainda os cursos com mestrado integrado, em que o aluno ao final de 300 ECTS (normalmente 5 anos) tem a graduação e o mestrado concluídos.

Nos cursos em que o mestrado não está integrado o aluno que o queira fazer, após a conclusão da graduação, terá que completar 90 ECTS a 120 ECTS (1,5 a 2 anos). Além da aprovação nas disciplinas, o aluno deverá apresentar ao final do curso a defesa de uma tese, ou apresentação de um trabalho de projeto, ou ainda um relatório de estágio. Os mestrados são oferecidos tanto nas universidades, quanto nos institutos politécnicos. Já os doutorados são oferecidos apenas pelas universidades.

Acesso aos cursos superiores

Existem diferentes formas de acesso aos cursos superiores portugueses. O concurso nacional é oferecido aos alunos que terminam o ensino secundário (o nosso ensino médio) e fazem o exame nacional. Diferente do ENEM, o exame nacional é obrigatório. Ele tem caráter de finalização, ou seja, a nota tirada nesse exame é incorporada a nota final do aluno. Desta forma, de acordo com o seu desempenho, o estudante pode ser aprovado ou reprovado no ensino secundário.

Além do concurso nacional, existem ainda os concursos especiais. Enquadram-se aí:

  • O concurso para maiores de 23 anos;
  • O concurso para titulares de diploma de especialização tecnológica;
  • O concurso especial para titulares de diploma de técnico superior profissional;
  • O concurso para titulares de outros cursos superiores
  • O concurso de acesso aos estudantes internacionais.

E é através desse último concurso que os brasileiros que pretendem usar a nota do ENEM se candidatam. Na tabela abaixo você encontra a relação das instituições que assinaram o protocolo com o INEP, que é o órgão responsável pelo ENEM. Ao assinarem esse protocolo as instituições tem acesso mais fácil a autenticação das notas dos alunos inscritos.

Para mais informações sobre esse assunto, leia o nosso post ENEM: Passaporte para as universidades portuguesas.

Se você já cursa o ensino superior, também existem opções.

Para quem já frequenta um curso superior no Brasil, o melhor caminho é tentar transferência. Esse processo é chamado mudança par instituição/curso. Em 2016 houve uma mudança no regulamento dessa forma de acesso. Os alunos que queiram fazer a transferência e são portugueses necessitam da nota do exame nacional. Sendo assim, os brasileiros que têm cidadania portuguesa ou europeia necessitam fazer o exame nacional para poderem requer a transferência para as instituições portuguesas.

Já para os estudantes brasileiros que não têm dupla cidadania, as instituições apresentam os critérios de acesso. Normalmente definem uma nota mínima do ENEM que o aluno deve ter para concorrer a uma vaga. O edital para esse tipo de processo é fixado por cada instituição. É necessário acompanhar nos sites das instituições para saber quando abre o concurso, o número de vagas e as datas das etapas.

Agora, se você gostaria de fazer apenas alguns períodos de estudo em Portugal, a opção é buscar programas de mobilidade. Várias instituições portuguesas possuem acordos com universidades brasileiras para esse tipo de ação. Então, nesse caso, você deve buscar informação na sua universidade para saber se já existe algum acordo.

Bom, é isso. Espero que este post tenha sido proveitoso.

Se você ainda tem alguma dúvida sobre o sistema superior de ensino português, deixe a sua pergunta nos comentários, que teremos um enorme prazer em responder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *